15 de outubro de 2018
Seja o primeiro a comentar

O ‘tom’ da Economia Criativa: dados sobre Música

Screen Shot 2018-10-11 at 13.02.19

IFPI, instituição sem fins lucrativos que reúne 1.300 gravadoras de 53 países, lançou no primeiro semestre de 2018 um estudo sobre o mercado de música.

O Global Music Report da IFPI. publicado anualmente, analisa o mercado da música por meio de diversos índices e lista, inclusive, os artistas mais populares (em vendas). O documento indica importantes mudanças no mercado e é positivo: afinal, o mercado cresceu 8,1%!

Para matar a curiosidade de todos, começamos com os 10 artistas mais populares (o ano-referência é 2017): Ed Sheeran, Drake, Taylor Swift, Kendrick Lamar, Eminem, Bruno Mars, The Weeknd, Imagine Dragons, Linkin Park e The Chainsmokers. Ausências notadas na lista de 2017 de artistas que a compunham em 2016 são David Bowie, Beyoncé, Adele, Rihanna, Coldplay, Justin Bieber Twenty one pilots e Prince.

Agora, sobre os dados da indústria da música:

– A renda gerada por plataformas de streaming cresceu 41,1%, deixando os downloads para trás. A renda gerada por downloads, inclusive, caiu 20,5%;

– As vendas digitais (downloads) não foram as únicas que caíram. A venda de produtos físicos (CD, vinil) caiu 5,4%;

– O Brasil é o 9º mercado na indústria da música. Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Coreia do Sul, Canadá e Austrália (nesta ordem) estão à frente dele. O top 10 é completado pela China;

– O crescimento da indústria da música na América Latina está muito acima da média global: 17,7% contra 8,1%;

– Em 2017, foram 176 milhões de assinaturas em serviços de streaming, que representa 38,4% do mercado (em rendimento);

– No universo do streaming, vídeos ganham em tempo de uso (55%, 46% deles no YouTube), mas o rendimento é menor do que um dólar por ano (por usuário), contra 20 dólares por ano(por usuário) em serviços como Spotify. Streaming de músicas em serviços pagos representa 23% do tempo de uso e 22% é dedicado à serviços gratuitos de streaming  de música.

O estudo completo pode ser baixado gratuitamente no site da IFPI.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *