16 de março de 2016
Seja o primeiro a comentar

Empregos em um futuro automatizado

Empregos-em-um-futuro-automatizado

*Cobertura SXSW 2016

Dando continuidade a cobertura do SXSW, vamos falar sobre a mesa redonda protagonizada por Dennis Mortensen, CEO e fundador da x.ai, um programa que funciona como uma espécie de assistente pessoal, mas virtual, que coordena a agenda de compromissos das pessoas, Gabe Greenbaum, vice-presidente do Pritzker Group Venture Capital, que ajuda empresários a construir empresas de tecnologia líderes de mercado e Robbie Allen, CEO da Automated Insights, criador do Wordsmith, uma plataforma que permite escrever e desenvolver conteúdo usando dados. Ela já cria mais de 1 bilhão de itens de conteúdo por ano para clientes em diversas indústrias como Yahoo, Allstate e da Associated Press.

Com o tema central da discussão “Encontrar um emprego em um futuro automatizado”, os participantes discutiram sobre como aperfeiçoar sua vantagem humana em um mundo cada vez mais automatizado e competitivo.

Segundo eles, a tecnologia ocasionou a perda de muitas funções no mercado de trabalho, porém reforçaram que há sempre um novo segmento para ser explorado e, com isso novos empregos são criados ano após ano. “Tudo requer criatividade e criatividade não pode ser automatizada”, diz Dennis Mortensen.

Em um passado não muito distante, pensávamos que com a globalização e com todas as máquinas, trabalharíamos menos, mas o que podemos perceber é que aconteceu totalmente o contrário. Hoje em dia, com o avanço acelerado da internet, trabalhamos muito mais – estamos sempre conectados, resolvendo problemas de trabalho à noite, em finais de semana e feriados.

Os palestrantes destacaram ainda que a inteligência artificial deverá facilitar as nossas vidas, mas essa transição de tudo vai demorar bastante, a digestão vai ser lenta. “Já temos máquinas inteligentes para ler milhares de páginas de documentos legais e fazer mensagens chaves, mas a interpretação ainda será parte da imaginação humana. Imaginar é algo humano”, explica Robbie Allen.

De acordo com os especialistas, a tendência é que a inteligência artificial também seja feita de maneira colaborativa, pois existem fatores que só as pessoas podem fornecer. “A realidade é que empregos criativos continuarão existindo no futuro, não há o que temer, o importante é ter flexibilidade e estar totalmente aberto ao novo. Em vez de competir com as máquinas, é preciso saber trabalhar com elas”, concluiu Mortensen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *